Hoje me peguei fazendo a seguinte reflexão: ser psicólogo é como ter um avião.

Você tem uma grande riqueza nas suas mãos, transporta milhares de pessoas, guarda no maleiro teorias, estudos, supervisões, cursos, noites em claro e muitas outras coisas que os seus passageiros nem imaginam. Mas o que tem no maleiro é de grande importância para equilibrar o peso da “máquina” que você pode ser. E ainda tem mais, nesse maleiro há também as bagagens dos passageiros. Cada um que embarca vem com suas histórias, angústias, alegrias, confortos, crenças e teorias. Algumas bagagens, entretanto, excedem o peso.

Nesse momento entra uma grande função do Psicólogo em favorecer este balanceamento. Na parte superior do avião, além das malas e dos pesos, temos os passageiros, aeromoças, co-piloto e o piloto. Mas quem será que é o piloto deste avião? Sim, não é o psicólogo. Pelo menos assim eu acredito. Quem pilota o avião são os passageiros: eles escolhem seus destinos, as escalas, os lugares, as companhias, os tempos de duração da viagem, as datas e muitas outras coisas. São os passageiros que determinam.

Você, como Psicólogo, pode facilitar a rota, porém jamais a determinará. A atuação do Psicólogo é de grande humildade, pois ele precisa pegar o seu avião e deixar a serviço do seu cliente/paciente. Seja este paciente criança, adulto ou idoso. Confesso que em algumas situações é difícil, você conhece muito bem sua aeronave; tem cursos e mais cursos para aprender a traçar a melhor rota; porém, nem sempre, ou quase nunca, será a rota ideal ao seus pacientes.

E tem mais, neste serviço de humildade, seu avião pode se desestabilizar e máscaras de oxigênio cairão automaticamente; neste momento, coloque a máscara primeiro em você e depois auxilie a quem for necessário. Sabe o que isso significa? Que assim como seu paciente está cuidando da saúde dele, você precisa cuidar da sua. Ambos cuidando, terão uma viagem tranquila e o destino final será apenas uma mera consequência da deliciosa viagem elaborada na relação paciente;cliente / Psicólogo.